Veículos Elétricos

Conheça um pouco mais sobre os tipos diferentes de veículos elétricos já em uso comercial: carros, bicicletas, motos e outros.

Carro elétrico a bateria


Carros elétricos. (foto: Soninha Vill)

Os carros elétricos possuem propulsão por meio de um motor elétrico e sua energia está armazenada nas baterias – diferente dos carros que têm tanque de combustível. Assim, como não existe combustão no motor, não é necessário utilizar gasolina, álcool ou diesel, o carro não emite gases poluentes ou ruídos, e não precisa de câmbio de marcha, são todos automáticos e tem uma aceleração muito mais rápida (torque excelente!).

A manutenção de carros elétricos costuma ser mais barata que a dos carros movidos a combustão, já que há menos peças móveis no motor e no veículo, e a autonomia dos modelos a bateria atualmente é de, em média, 200 km, de acordo com o modelo e do uso. Hoje, no Brasil, os valores estão em torno de R$ 150 mil, e as montadoras trabalham com um modelo de vendas a base de lista de espera, mas há no mercado projetos de compartilhamento de veículos que utilizam modelos elétricos em alguns grandes centros urbanos, como em Fortaleza e em São Paulo. Além dos modelos 100% elétricos, há modelos híbridos circulando pelas ruas do Brasil, são veículos que tem os dois sistemas de propulsão: elétrico e combustão interna combinados.

Ônibus Elétrico


Ônibus elétrico. (foto: Soninha Vill)

Os veículos para transporte público também já têm sua versão elétrica: não emitem poluentes e são silenciosos. Assim, são apontados como ótima solução para grandes centros urbanos, pois contribuem para reduzir a poluição atmosférica e aumentar a qualidade do serviço nas cidades. Há modelos de ônibus com uma autonomia de 250km, com recarga de 4 horas. Em Florianópolis, Campinas e Brasília já é possível fazer uso deste serviço de transporte público.

Bicicleta elétrica


Bicicleta elétrica. (foto: Catharina Vale)

As bicicletas elétricas, ou e-bikes, possuem um motor elétrico auxiliar de até 350W, com uma bateria acoplada ao quadro. O sistema de propulsão só funciona quando o ciclista pedala, tecnologia conhecida como pedal assistido. Segundo as regras do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as bicicletas elétricas não podem ultrapassar os 25 km/h, não possuem acelerador e devem possuir equipamentos como indicador de velocidade, campainha, sinalização noturna e retrovisores. A capacidade média da bateria é de 35 a 45 km, e a recarga é feita em tomadas comuns, em casa ou no trabalho. Mesmo que a bateria acabe no meio do trajeto, a/o ciclista pode continuar pedalando, assim como em uma bicicleta convencional. Atualmente, há modelos de diferentes valores no país, chegando a R$ 5 mil. Para quem não quer comprar uma e-bike, há serviços de compartilhamento e aluguel de bicicletas com modelos elétricos em algumas cidades do Brasil, como Brasília e São Paulo.

Ciclomotores, scooters e motos elétricas

Os ciclomotores são veículos de duas rodas com motor elétrico auxiliar e acelerador, e atingem velocidade máxima de até 50 km/h. Ao contrário das bicicletas, esses veículos devem ser emplacados, não são isentos de impostos, não podem trafegar em ciclovias e as/os condutores devem ter habilitação para pilotar. Já os scooters e motos elétricas são semelhantes aos modelos a combustão que já existem no mercado,  porém utilizam propulsão por meio de motor elétrico, tornando os veículos “zero emissão” e muito silenciosos.

Patinetes elétricos

Os patinetes elétricos são uma opção moderna para deslocamentos menores e para integração modal, reduzindo o tempo de trajeto que seria feito a pé ou até de carro e melhorando a mobilidade urbana. Eles não exigem habilitação, são fáceis de usar e são uma nova aposta para sistemas de compartilhamento em grandes metrópoles, assim como as bicicletas. Para quem deseja comprar um, os modelos têm grande variedade de potência e valores, variando de 500 a 4.000 reais. No momento não há regulamentação específica para patinetes elétricos, mas em algumas cidades, como São Paulo, a prefeitura permite o uso com velocidade máxima de até 20km/h para quem deseja trafegar pelas ruas da capital, e 6km/h pelas calçadas.